Sacramento da Reconciliação

Sexta-feira | Ig. Matriz
  18h00 - 20h00

Ex. de Consciência 1  Ex. de Consciência 2
(Quem desejar confessar-se fora dos horários estabelecidos deve articular com o pároco, pois está sempre disponível)

Intenções do Papa

Julho

Universal: Integridade da justiça

Para que todos aqueles que administram a justiça operem com integridade e para que a injustiça que atravessa o mundo não tenha a última palavra.

    

SSVP- SOCIEDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO

Sociedade de São Vicente de Paulo (SSVP), também conhecida por Conferências de São Vicente de Paulo ou Conferências Vicentinas, é um movimento católico de leigos que se dedica, sob o influxo da justiça e da caridade, à realização de iniciativas destinadas a aliviar o sofrimento do próximo, em particular dos social e economicamente mais desfavorecidos, mediante o trabalho coordenado de seus membros.

História institucional.

A organização foi fundada em Paris a 23 de Abril de 1833, por um grupo de sete jovens universitários liderados por Frédéric Antoine Ozanam (1813-1853), estudante de Direito na Universidade de Sorbonne, um jovem na época com apenas 20 anos de idade. A organização adoptou São Vicente de Paulo (1581-1660) como patrono, inspirando-se no pensamento e na obra daquele santo, conhecido como o Pai da Caridade pela sua dedicação ao serviço dos pobres e dos infelizes. O lema da organização assenta na frase de São Vicente de Paulo: A caridade é inventiva até ao infinito.
 
Os fundadores foram:

• Antônio Frederico Ozanam (1813-1853)
• Auguste Le Tailladier (1811-1886)
• François Lallier (1814-1887)
• Paul Lamache (1810-1892)
• Félix Clavé (1811-1853)
• Jules Devaux (1811-1881)
• Emmanuel Bailly (1794-1861)

A MISSÃO VICENTINA:

Desde a simples oferta de «umas achas de lenha» - oferta inicial de Ozanam às famílias que primeiro visitou rm Paris - às ofertas de roupa, livros, medicamentos, ajuda na procura de empregos e internamentos, visitas a lares, hospitais, cadeias, ou à fundação das chamadas «obras especiais» (obras de acção especializada e individualizada, lares de 3ª idade, centros de dia, casas de trabalho, salas de estudo, cantinas, lares para jovens, creches, infantários, jardins de infância, colónias de férias, etc.), a acção vicentina procura ser a resposta oportuna para cada situação de sofrimento ou pobreza que se detecta - resposta mais ou menos imediata, ou de simples encaminhamento das situações mais difíceis para as vias possíveis de resolução, inquietando consciências indiferentes, apesar de responsáveis, mas com possiblidade de resposta às situações de pobreza e sofrimento.

A acção vicentina preocupa-se com a promoção do homem na sociedade através de um sentimento de afecto e respeito pela dignidade de cada pessoa, da oferta de amor, a que todos têm direito, da compreensão e receptividade a uma confidência ou a um desabafo, um conselho com uma palavra amiga, um olhar carinhoso, motivos de fé e de esperança.
 

O Vicentino:

    VIVE o Evangelho através de uma aspiração de vida mais evangélica.
   DETECTA e serve directamente as várias situações de pobreza, vivendo uma espiritualidade Cristã, à maneira de Vicente de Paulo e de Frederico Ozanam.
    REVELA Cristo. O Cristo que serviu e amou a todos, principalmente os mais pobres.
    OFERECE um testemunho de fé, mais por obras que por palavras em todo o contacto pessoal, numa mútua santificação.
    COMPROMETE-SE a cumprir a Regra da S.S.V.P., que define a vocação e missão de Sociedade de São Vicente de Paulo.
    COM HUMILDADE E ESPÍRITO DE POBREZA, JUVENTUDE E ALEGRIA;
    CRIATIVIDADE, DINAMISMO E OUSADIA CENTRANDO A SUA ACÇÃO NA TRADICIONAL VISITA DOMICILIÁRIA
    NUNCA ESQUECENDO QUE A SEU LADO PODE ESTAR O "SEU PRÓXIMO" (AQUELE QUE MAIS PRECISA DE NÓS).

A espiritualidade vicentina:

A espiritualidade cristã revelada por Cristo como evangelizador dos pobres, é a espiritualidade cristã vivida por São Vicente de Paulo que nos faz entender e conhecer o «Cristo Vicentino», aquele Cristo que «caminhou e trabalhou como nós». Aquele Cristo sem ceptro e sem coroa, que não está sentado sobre o globo, que suportou o peso da cruz de todos os que sofrem, de todos que pecam, de todos que são pobres... e ressuscitou para nos oferecer a Esperança.
Espiritualide vicentina é a espiritualidade que levou Ozanam a criar as Conferências de São Vicente de Paulo que colocam cristãos-leigos em permanente disponibilidade para aliviar o sofrimento e a pobreza, despertando a vocação e missão da Sociedade de São Vicente de Paulo.

AMAR E SERVIR A DEUS, AMANDO E SERVINDO DIRECTAMENTE OS POBRES.

 

CONFERÊNCIA VICENTINA DE BOUGADO (SANTIAGO)

A Conferência de S. Vicente de Paulo de S. Tiago de Bougado foi fundada em 22 de Dezembro de 1913 conforme registo da carta de agregação.
Actualmente conta com 18 elementos distribuídos pelas diversas aldeias da paróquia.
Reúne-se mensalmente na 1ª quarta-feira de cada mês.
Fiel ao espírito dos seus fundadores, a Conferência esforça-se por se renovar sem cessar e por se adaptar às condições de mudança dos tempos. A nossa missão é estarmos sempre abertos às mutações da humanidade e às novas formas de pobreza que se possa identificar ou pressentir. Damos prioridade aos mais desfavorecidos e especialmente aos rejeitados pela sociedade. Tem sido uma missão árdua, pois infelizmente com os problemas financeiros que o país atravessa, cada vez mais surgem novos casos que necessitam de intervenção urgente. No entanto, temos conseguido chegar a todas as pessoas necessitadas e auxiliado no que mais precisam. Actualmente este grupo de caridade vive de doações das pessoas da comunidade, de benfeitores que colaboram mensalmente com dinheiro, alimentos, roupas, sapatos, remédios, material escolar, etc.
A vocação dos membros da Sociedade, chamados Vicentinos é seguir Jesus Cristo servindo aqueles que precisam e, desta forma, dar testemunho do seu amor libertador, cheio de ternura e compaixão. Os confrades mostram a sua entrega mediante o contacto pessoa-a-pessoa. O Vicentino serve com Esperança.

LINK: VICENTINOS

Coordenador: José Manuel Silva Vasconcelos

NOTA: para mais informações contactar o Cartório Paroquial.