Sacramento da Reconciliação

Sexta-feira | Ig. Matriz
  18h00 - 20h00

Ex. de Consciência 1  Ex. de Consciência 2
(Quem desejar confessar-se fora dos horários estabelecidos deve articular com o pároco, pois está sempre disponível)

Intenções do Papa

Julho

Universal: Integridade da justiça

Para que todos aqueles que administram a justiça operem com integridade e para que a injustiça que atravessa o mundo não tenha a última palavra.

O grupo de acólitos da nossa comunidade paroquial é constituído actualmente por cerca de 15 elementos. Neste momento encontram-se em percurso de formação 5 elementos. Os nossos acólitos estão distribuídos no serviço ao altar nas várias celebrações da paróquia, e nos tempos mais solenes e festivos estão em maior número de forma a ajudarem e a dignificar convenientemente a celebração da liturgia nas celebrações mais exigentes.
A missão do acólico está em intima colaboração com o pároco na celebração da Liturgia, no serviço ao altar, nos momentos de oração e na evangelização dos mais novos. É sem dúvida um espaço de discernimento vocacional capaz de proporcionar um tempo único de vivência profunda de fé e de crescimento maduro na relação pessoal com Jesus Cristo, com os outros no compromisso activo e fecundo na Igreja e na sociedade.
Este grupo é um grupo aberto e disponível para acolher mais jovens que sejam baptizados, tenham feito já a sua 1ª Comunhão e frequentam sem interrupção o itinerário catequético e tenham uma consistente e testemunhada vivência eucarística na comunidade paroquial.
Este grupo tem reunião de formação no primeiro sábado de cada mês, participa nas várias actividades paroquiais, vicariais e diocesanas e participa nos momentos de formação nacional como os Encontros Nacionais de Pastoral Litúrgica e na peregrinação anual nacional dos acólitos ao Santuário de Fátima. E sempre que se achar conveniente e oportuno reúnem-se para programar e aprender as tarefas de cada um na celebração da Liturgia. Com certeza que também participam em vários momentos de convívio, lazer e passeio.

Quem quiser pertencer a este grupo procurem informações Cartório Paroquial, junto do pároco ou do coordenador deste grupo!

Coordenador: Diácono José Maria Vasconcelos

Link:  Acólitos

 

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES LITÚRGICAS

O QUE É UM ACÓLITO?

 
1. Os ministros litúrgicos

Na primeira lição do nosso curso dissemos que toda a assembleia litúrgica precisa de ministros litúrgicos para a servir. E também dissemos que, para a celebração da missa dominical decorrer sem atropelos, são precisos, pelo menos, quatro ministros: o presidente, o leitor, o cantor e o acólito.
Imaginem, por exemplo, que num domingo as pessoas se tinham reunido para a missa, mas não havia ninguém para fazer as leituras nem para cantar o salmo. O presidente tinha de presidir e, quando chegasse o momento, tinha também de ir ler as leituras, no caso de não haver ninguém na assembleia capaz de as proclamar, e isso faria com que a celebração sofresse um atropelo; se não houvesse cantor, o salmo responsorial teria de ser apenas lido, o que seria outro atropelo, pois o salmo deve ser cantado por um cantor diferente do leitor.
Se isso viesse a acontecer muitas vezes, poderia ficar-se com a ideia errada de que a missa é o que na realidade não é ou não deve ser. Se fosse sempre o presidente da celebração a fazer tudo, alguém poderia pensar que a missa é só dele, quando isso não é verdade, pois Jesus quis e quer que ela seja de todos os cristãos reunidos em assembleia. Jesus não quer que seja um só a fazer tudo, mas também não quer que haja alguns que nunca fazem nada. O que Ele mais gosta é que cada um faça o que deve fazer, para que a celebração seja de todos e todos sintam que são responsáveis por ela.
 
2.    O que é o acólito?

A palavra acólito vem do verbo acolitar, que significa acompanhar no caminho. Dado que se pode acompanhar alguém indo à frente, ao lado ou atrás de outras pessoas, acólito é aquele ou aquela que, na celebração da liturgia, precede, vai ao lado ou segue outras pessoas, para as servir e ajudar.
Quem é que o acólito acompanha e serve? Em primeiro lugar acompanha e serve o presidente da celebração da missa, que tanto pode ser o bispo como o presbítero; em segundo lugar acompanha e serve o diácono, o ministro extraordinário da comunhão, ou outras pessoas que precisam de ser ajudadas durante a celebração. Noutras celebrações, acompanha e serve as pessoas responsáveis por essas mesmas celebrações.
Quando é que o acólito começa a ajudar e a servir o presidente da missa? Quando o bispo ou o presbítero, na sacristia, tomam as suas vestes. Já então o acólito deve estar vestido e pronto, para poder ajudar. Depois, acompanha-os na procissão de entrada, indo à frente. Durante a missa, o acólito está sempre atento ao que o bispo ou o presbítero precisam, para lhes apresentar umas vezes o missal, outras vezes as coisas que eles hão-de colocar no altar, ou para os acompanhar quando vão distribuir a comunhão aos fiéis. Por fim, quando o presidente regressa à sacristia, o acólito vai à sua frente e ajuda-o a tirar as vestes e a guardá-las.
Só depois de tudo isso feito é que o acólito pensa em si próprio. No fim de ter ajudado o presidente da celebração, também ele tira a sua túnica e a guarda. Enquanto faz tudo isso, agradece a Jesus por ter estado a servi-lo na pessoa dos seus ministros, e pode lembrar-se daquela palavra do Senhor: Tudo aquilo que fizestes a um dos meus irmãos, mesmo aos mais pequenos, foi a mim que o fizestes.
Podemos então dizer que o acólito, desde o princípio até ao fim da missa, acompanha, ajuda e serve o próprio Jesus. Ele não o vê com os seus olhos; mas a fé ensina-o. Um verdadeiro acólito vai descobrindo isto cada vez mais. Se um acólito não o descobre, corre o risco de se cansar de ser acólito. Mas se o descobre e acredita nisso, então vai desejar sempre ser escolhido para acólito, em cada domingo.
 
3.    Quem pode ser acólito?

Para explicar muito bem este assunto tenho de dizer várias coisas. A primeira é esta: há acólitos instituídos e acólitos não instituídos.

a) Acólitos instituídos

Chamam-se acólitos instituídos, aqueles que o bispo duma diocese chamou e fez acólitos. Este chamamento e esta instituição pelo bispo querem dizer que um acólito instituído é convidado a participar muito empenhadamente na celebração da Eucaristia, que é o coração da Igreja, e que o deve fazer sempre que esteja presente e for convidado a fazê-lo pelo responsável da celebração.
Também quer dizer que, dentro da mesma diocese, o acólito instituído pode ser chamado a realizar o seu serviço em qualquer paróquia, desde que o pároco o convide ou lho peça, uma vez que o bispo que o chamou é o bispo de todas as paróquias dessa diocese.
Quem é que pode ser acólito instituído? Só os rapazes que se preparam para isso durante bastante tempo. É o que acontece com os seminaristas, embora também possam ser chamados outros rapazes ou homens que não sejam seminaristas. Este pormenor quer dizer que, um dia, se esse rapaz ou homem vier a ser ordenado padre, deve não só servir bem, como bom acólito que foi, mas também ensinar os mais novos da paróquia onde estiver, a serem bons servidores, ou seja, óptimos acólitos, como o vosso pároco está agora a fazer convosco.

b) Acólitos não instituídos

Os acólitos não instituídos são em muito maior número do que os instituídos. São aqueles que nós conhecemos melhor, porque os vemos todos os domingos a servir na missa, nas nossas paróquias. Eles podem ser rapazes ou raparigas. Quem os chama para serem acólitos é o pároco de cada paróquia e não o bispo da diocese. Esse chamamento é precedido duma preparação. O Curso para Acólitos de que esta lição faz parte, tem por fim ajudar a fazer essa preparação.
Juntamente com o Curso é muito importante praticar o serviço de acólito, procurando fazê-lo cada domingo com maior perfeição e atenção, mas sobretudo com muito espírito de fé. Podemos dizer que Jesus foi o primeiro de todos os acólitos, pois disse um dia estas palavras: Eu estou no meio de vós como quem serve. Ora, o acólito, quer seja instituído quer seja não instituído, é e deve ser cada vez mais um rapaz ou uma rapariga que gostam de servir a Deus e aos seus irmãos na vida, a começar pelos que moram em sua casa e com os que com eles convivem mais de perto, e também na liturgia.
 
4.    Os serviços dos acólitos não instituídos

Como o nosso Curso se destina aos candidatos a acólitos não instituídos nas Paróquias, vamos enumerar as suas funções principais na missa de cada domingo.

Antes de começar a missa:
— prestar todos os serviços ao presidente e ver se o altar e tudo o mais está preparado para a celebração.
Ao começar a missa:
— na procissão de entrada, a caminho do altar, levar a cruz, assim como os círios acesos.
Durante a missa:
— servir o presidente em tudo o que for preciso: apresentar o missal e as coisas necessárias para preparar o altar;
— acompanhar o presidente e os ministros extraordinários durante a distribuição da comunhão aos fiéis;
— arrumar os vasos sagrados, na credência, depois da purificação.
No fim da missa:
— acompanhar o presidente e ajudá-lo a tirar as vestes. Só depois disso é que o acólito tira a sua túnica.

Ser acólito

 1. O acólito vai para a igreja
Cada domingo, algum tempo antes de começar a missa, o acólito deve ir para a igreja, sempre muito bem vestido e limpo, desde o cabelo até aos sapatos, sem esquecer as mãos e as unhas.
Não se esqueça de uma coisa importante: quem vai receber a santíssima Eucaristia, não deve tomar nenhuma comida ou bebida, excepto água ou remédios, pelo espaço de ao menos uma hora antes da sagrada comunhão. Isto quer dizer que o acólito deve terminar o pequeno-almoço cerca de 15 minutos antes de começar a missa, dado que desde o princípio da missa até à comunhão se demoram 45 minutos. Não se esqueça também de que, durante a missa, não deve chupar rebuçados nem outras guloseimas. Na igreja não se come comida vulgar. Só se comunga o Corpo de Cristo.
 

2. O acólito chega à igreja
Ao chegar à porta da igreja, o acólito deve cumprimentar os companheiros e as pessoas que ali estiverem. Pode também esperar um pouco por outros acólitos que ainda não tenham vindo. É bom estar ali um bocadinho, em grupo, contando ou ouvindo alguma novidade.
Ao entrar na igreja, deve começar por ver se há algum cartaz ou notícia nova no guarda-vento ou no expositor, e também se lhe está atribuído algum serviço nesse dia: acolitar, recolher as ofertas, acolher as pessoas à porta da igreja, distribuir alguma folha. São serviços que pertencem aos acólitos.
Por fim, o acólito dirige-se para os primeiros bancos da igreja. É aí o seu lugar, não nos bancos de trás. Porquê? Porque pode ser necessário chamá-lo para algum serviço durante a celebração, e, se estiver à frente, isso torna-se mais fácil. E também porque é bonito ver os mais novos uns ao pé dos outros.

 3. O acólito saúda Jesus
Que faz o acólito ao chegar ao seu lugar nos bancos da frente? Ajoelha e saúda Jesus, que está presente na Eucaristia guardada no sacrário. Jesus é o grande amigo de todos os cristãos, e a nossa primeira palavra deve ser sempre para Ele. Nas igrejas mais modernas há uma capela do Santíssimo. Se for esse o caso, é para aí que o acólito se deve dirigir, a fim de saudar Jesus.
Como se saúda Jesus? Primeiro ajoelhando, a seguir inclinando a cabeça, depois fazendo sobre si próprio o sinal da cruz, e por fim ficando uns momentos em adoração. Vejamos como se faz cada um destes gestos.
Como se ajoelha? Com os dois joelhos e conservando o corpo bem direito. Há pessoas que, depois de ajoelhar, se sentam nos calcanhares, o que é muito feio. Não se deve confundir o ajoelhar com ambos os joelhos e o genuflectir com um só joelho. Falaremos disso mais tarde. Porque se inclina a cabeça? Porque essa é uma forma de saudar Jesus, com um gesto de humildade, que é o significado da inclinação da cabeça. Assim como ajoelhar significa tornar-se pequeno diante de Deus, inclinar a cabeça é manifestar que temos consciência da nossa pequenez. Como se faz o sinal da cruz? Faz-se com a mão direita aberta e os dedos juntos, indo com a mão da testa ao peito e do ombro esquerdo ao direito, ao mesmo tempo que se diz: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. O sinal da cruz é o sinal identificativo dos cristãos, porque foi na cruz que Jesus deu a vida por nós. Que diz o acólito durante os breves momentos de adoração? Pode dizer, por exemplo: Jesus, hoje é domingo, o dia da tua ressurreição, e eu estou aqui na igreja da minha terra para celebrar a tua Ceia. Faz-me bom cristão, bom paroquiano e bom acólito.
Tudo isto deve ser feito com muita dignidade e sem pressa, pensando n’Aquele que estamos a saudar. Depois de rezar durante alguns momentos o acólito, se nesse dia for ele a acolitar, vai para a sacristia e veste a sua túnica. Se não for o seu dia de acolitar, fica sentado no banco, a olhar para o sacrário e a falar com o Senhor. Mas não deve estar a falar com quem está ao seu lado, nem a rir, nem a brincar, nem a fazer mal.

 4. A túnica do acólito
Todos os que servem no presbitério usam uma veste branca, a começar pelo presidente da celebração e a acabar nos acólitos. A veste dos bispos, dos presbíteros e dos diáconos chama-se alva, palavra que quer dizer veste branca. À dos acólitos chama-se-lhe túnica, que é uma veste também branca mas mais ajustada ao corpo do que a alva.
O acólito não veste a túnica logo na primeira vez que exerce este serviço. É bom, primeiro, que faça o Curso para Acólitos, e que, mesmo sem túnica, durante alguns domingos, esteja junto dos outros companheiros que já são acólitos, e aprenda, pouco a pouco, a fazer as coisas com eles. Quando o responsável dos acólitos entender que algum dos candidatos está preparado para acolitar bem, informa disso o pároco e este, num domingo, depois da homilia, chama-o, nomeia-o acólito e entrega-lhe a túnica, o cíngulo e uma pequena cruz de madeira. A mãe do acólito ou outra pessoa sua amiga vem ajudá-lo a vestir-se e, nesse mesmo domingo, é ele o primeiro que leva para o altar o pão ou alguma das outras coisas que estão na credência.
Geralmente é a mãe do acólito que lhe deve fazer a túnica, que será cingida à cintura por um cíngulo ou cordão, também branco. A túnica deve estar sempre muito bem lavada e passada a ferro. As túnicas dos acólitos também podem pertencer à paróquia. Nesse caso, deverão ser de tamanhos diferentes, para se adaptarem facilmente à altura de cada acólito.
A cor branca da túnica recorda ao acólito que ele deve viver na graça de Deus, ser puro de coração e servir o Senhor com alegria, dignidade e generosidade.
O acólito deve aprender a atar o cíngulo e a arranjar a túnica, para não ir com ela de qualquer maneira, porque isso é feio. Se não sabe fazer o nó do cíngulo, peça ao senhor padre ou a outra pessoa que o ensine.

O acólito já deve ter a túnica vestida quando o senhor padre chega à sacristia, para poder ajudá-lo a vestir-se. Quando ele chega, cumprimenta-o e, quando ele veste a alva, dá-lhe o cíngulo e ajuda-o a arranjar a alva, para ficar à mesma altura, em baixo, tanto adiante como atrás.

O acólito nunca deve chegar atrasado. Isso é falta de educação e impede que a missa comece à hora marcada.

O lema do acólito é constituído por três palavras, e todas começam por um «A»: Amigo, Asseado, Atento. O acólito é amigo de todos mas particularmente do seu pároco, é asseado desde a ponta dos cabelos ao bico dos pés, e está sempre atento ao que é preciso fazer. E é Pontual.

 

Escala Geral dos Grupos